10 de agosto de 2017

As complicadas negociações do Brexit


Estão em marcha as negociações relativas às condições concretas em que se irá verificar o abandono do Reino Unido do seio de países membros da União Europeia, o tão falado Brexit, prevê-se que a ser finalizado em Março de 2019.
Com Theresa May a chegar à mesa das negociações fragilizada depois da derrota nas legislativas, que seriam a confirmação da boa opção que fora a decisão de abandono da União Europeia, os negociadores britânicos pretendem discutir em paralelo o processo de abandono da União Europeia e o futuro das relações União Europeia/Reino Unido.
Uma pretensão que os negociadores da União Europeia contradizem, afirmando que o que agora se vai discutir são apenas as condições de saída do Reino Unido, nomeadamente os montantes a título de indemnização que os britânicos terão que pagar e os direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido após o Brexit.
Com o Ministro das Finanças britânico, Philip Hammond, a dar a cara e a voz aos partidários do chamado soft Brexit, as negociações começam com os britânicos a querer discutir o Brexit e o pós-Brexit em bloco e os representantes da União Europeia a quererem apenas discutir as condições do Brexit deixando o pós-Brexit para depois de 2019.
Com este cenário extremado o primeiro ponto da agenda de negociações será precisamente a tentativa de acordo acerca do que se vai efectivamente discutir.
Um ponto de partida que se afigura imediatamente complicado e susceptível de grandes dissensões e de prolongadas discussões.
Citando Bette Davis em All About Eve, “it’s going to be a bumpy ride”.

22 comentários:

  1. Respostas
    1. Até agora está a ser um bom bocado um diálogo de surdos, Catarina.

      Eliminar
  2. É sempre difícil o início da discussão de uma negociação. Haverá jogadas despropositadas a tentar forçar e como não vale sopapos nem tiros nem imagino a linguagem usada.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A União Europeia vai fazer a vida difícil aos britânicos, Agostinho.
      Não vai ser um divórcio amigável e as partilhas vão ser muito complicadas.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Partilhas, sim. Não me ocorria a figura. É perfeita.

      Eliminar
    3. Com um casal tão desavindo vai ser preciso um juiz e advogados muito hábeis, Agostinho.

      Eliminar
  3. No meio disto tudo , quem precisava de sair da Terra era eu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora fez-me lembrar o célebre grito - "tirem-me daqui".
      O filme está realmente muito mau, São.

      Eliminar
  4. Não vai ser nada fácil e as coisas poderão mesmo azedar...
    Bom fim de semana, caro Pedro.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um braço-de-ferro que será interessante acompanhar, Jaime Portela.
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  5. Que o Reino apartado não seja secionado! Grato pelos cumprimentos deixados em meu blog! Grande abraço, Pedrão! Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Reino tudo indica que será seccionado, Laerte.
      Há quem se sinta bem na União Europeia.
      Mais cómodo e seguro que na Grã-Bretanha.
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  6. Ainda vai correr muita tinta e passar muita água sob as pontes até ser possível alcançar um acordo. Theresa May está enfraquecida e a UE mais unida nesta matéria. Eu sei que Trump está ansioso por meter a colherada e apoiar May, mas pode sair-lhe o tiro pela culatra. Abraço e bom fim de semana, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A UE está mais unida nestas negociações do que é hábito, Carlos.
      O cretino americano, se é deixado meter ao barulho, só vai trazer ruído e confusão.
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  7. Theresa May, foi contra o Brexit, contudo, herdou-o do governo de Cameron depois deste se ter demitido e ela ter ganho a liderança. Com o menino nos braços, ela iniciou uma entrada de "peito feito" à UE, (um pouco arrogante, até) pensando que sairiam sem contrapartidas,ou que estas fossem minimizadas. Não. 100 mil milhões é o custo. E o governo Britânico vai estrebuchar e vai amuar se não forem eles a decidir as normas sob ameaça de abandonarem qualquer acordo. Não concordo com a arrogância do Reino Unido. Estou convencida de que se outro país da UE estivesse no lugar do Reino Unido,este seria o primeiro a pedir exigência máxima. Penso que tem de haver equilíbrio,mas a UE não pode ser branda.

    Quanto a Portugal, tem de usar de toda a diplomacia e cordialidade nas conversações,pois as nossas ligações económicas são centenárias.

    Beijinhos e continuação de boa semana.
    mz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Theresa May tornou-se na cara do Brexit, mz.
      E até caiu nas asneira de convocar eleições para legitimar o processo e sua própria liderança.
      Saiu-lhe o tiro pela culatra.
      E agora tem que piar fino porque a UE está a fazer peito nestas negociações.
      E a nível interno vê-se cada vez mais contestada.
      Portugal tem que estar com a UE, sem hostilizar os britânicos.
      Uma posição que requer grande ginástica, convenhamos.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. PEDRO,

    a UE está igual ao Brasil, a cada dia novidades,o mundo está realmente no mais e complexo processo de rearrumação em todos os níveis.
    Ou ameaça de desarrumação catastrófica, vide Coreia do norte x EEUU.
    Um abração carioca enquanto ainda é tempo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que as novidades vão do mau para o pior, Paulo Tamburro.
      Se fosse para ter boas novidades até valia a pena.
      Assim dá vontade de dizer que agradecemos mas passamos.
      Um abração

      Eliminar
  9. "Roda mundo roda moinho"... É isso aí o mundo fazendo barulho por meio de cretinos mascarados de santinhos!...
    Bom te ver no meu simples espaço. AbraçO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A UE está a fazer os britânicos pagar (literalmente!) pela sua arrogância, Nidja Andrade.
      Vamos ter um longo processo negocial pela frente.
      Abraço

      Eliminar
  10. Arrogancia dos carneiros alemaes a vir a tona da agua. OS manientos franceses a deixa andar..... Mas pagar 100 bil. Para que?! Entao para que serve o WTO?
    Sai da EU reverte WTO, world trade organisacao.
    A Merkel ate queria expulsar a Grecia .
    Faz lembrar o azar da Koreia....
    O Norte comecou a guerra, com a invasao do sul, depois OS chineses, Russos e americanos voltaram ao paralelo 38.
    La vao 50 anos, e voltemos ao mesmo. Mas solucao necessita de coragem. OS senhores Chi, Putin e Trump devem reunir num portaavioes, e dizer ao Gorducho , vamos evacuar Seoul . E TU VAIS PARAR A COMEDIA.

    Para que serve o NPTO?!
    Boa sorte para nos todos. Bom fim de semana, Pedro Coimbra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Mundo está um lugar perigoso, pouco recomendável, Augie Cardoso.
      É mesmo o que diz - boa sorte para todos nós que bem precisamos.
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar