18 de abril de 2017

Turquia mais longe da União Europeia


O resultado do referendo constitucional na Turquia, que deixa Erdogan quase como um déspota iluminado, a ter a possibilidade de estender o seu poder agora quase ilimitado até 2029, coloca a Turquia obrigatoriamente mais longe de uma possível adesão à União Europeia.
Depois de uma campanha eleitoral vergonhosa, na qual os oposicionistas ao "sim" no referendo e ao todo poderoso Erdogan quase foram silenciados, a sociedade turca, literalmente partida ao meio, terá escolhido a via do despotismo presidencialista fulanizado em Recep Tayyip Erdogan (a impugnação dos resultados eleitorais neste clima político será provavelmente uma inutilidade...).
Esta escolha colide frontalmente com os critérios de adesão à União Europeia (Critérios de Copenhaga), sobretudo com a necessidade de se ver assegurada a estabilidade das instituições que garantem a democracia, o Estado de direito e os direitos humanos.
Os turcos terão escolhido deixar nas mãos do presidente do país a possibilidade de tudo controlar, de tudo ordenar, de tudo escolher.
Sem contrapesos, sem contrapoder, sem mecanismos de fiscalização.
A adesão da Turquia à União Europeia sempre foi um assunto polémico.
Sendo útil à União Europeia, sobretudo na missão de contenção do afluxo de refugiados, a Turquia sempre foi um Estado com valores perfeitamente divergentes daqueles que marcam a União Europeia nas suas mais profundas convicções.
O resultado deste referendo constitucional terá representado um profundo golpe nas pretensões de adesão à União Europeia por parte da Turquia.
O golpe de misericórdia neste processo será muito provavelmente dado com a forte possibilidade de ser convocado novo referendo, se tal se revelar necessário, para reintroduzir a pena de morte do país.

44 comentários:

  1. O déspota "iluminado" conseguiu o que queria com o referendo constitucional: MAIS PODER. No entanto, quase metade da população votou contra ele.

    A maior parte dos turcos com passaporte alemão votaram no sultão, porque vivem regalados na Alemanha. Se fossem viver para a Turquia e dessem as bocas que aqui dão, iam parar logo à prisão.

    Boa semana, Pedro, sem dépotas iluminados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vi a reportagem na televisão e foi exactamente isso que pensei, Teresa - estes caramelos celebram porque estão na Alemanha.
      Se estivessem na Turquia se calhar estavam a chorar.
      Estive em Istambul e nunca me senti lá bem.
      Aquilo não é a união Europeia, não pode ser a União Europeia.
      Boa semana

      Eliminar
  2. Se a democracia era frágil e muito cinzenta nas terras do sultão Erdogan, onde a liberdade de imprensa era já uma miragem, com estes resultados, as ameaças sobre a União Europeia, para aceitarem a tão desejada entrada da Turquia, vão redobrar, usando como moeda de troca os refugiados.
    Um abraço e boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa moeda de troca já vem sendo utilizada há muito tempo, Rui.
      Creio que terá perdido muito valor com os resultados deste referendo constitucional.
      E que o perderá todo se (quando??) for consagrada a pena de morte no país.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  3. Não há duvida de que a história se repete e é cíclica e neste momento o planeta está novamente a ficar na mão de ditadores, espero que se inverta este processo o mais rapidamente possível para nosso bem.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os ditadores e populistas, e os ditadores populistas, parece que estão a crescer como cogumelos, Francisco.
      É assustador!
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  4. Mais um déspota e um ditador, parece que o mundo está a regredir.
    Curioso, que na altura que estive em Istambul, o ambiente era óptimo e nada fazia prever uma coisa destas.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo menos está a entrar numa ordem de despotismo e populismo que assusta, Manu.
      Beijos

      Eliminar
  5. Pois, sinceramente já aprendi a não esperar grande coisa deste mundo, portanto, não é algo que me surpreenda...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não queria ser tão pessimista, Chic'Ana.
      Mas está complicado manter algum optimismo com tanta loucura à nossa volta.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Alguma vez esteve próximo, Pedro?

    Votos de excelente semana para si e suas princesas.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe que esteve, Ricardo.
      O efeito tampão estava a dar uma vantagem negocial enorme à Turquia.
      Vamos ver se agora desaparece.
      Aquele abraço, votos de excelente semana para si e as suas mais que tudo.

      Eliminar
  7. Já nada surpreende. Desde o Trampa parece que tudo acontece!


    Com muito carinho,

    Diamonds In The Sky, Daniela Silva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, depois desse alaranjado tudo é realmente possível, Daniela Silva.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Erdogan é um déspota. No entanto e a curto prazo, não constitui um perigo tão grande como Trump. Que já está no terreno com toda a força.
    2,6% dos votantes fizeram a diferença. Cheira-me a convulsões internas. A vida não está (tão) fácil para o lunático turco.

    Boa semana, Pedro, um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trump é um perigo desde o dia em que foi eleito, António.
      Mas está a fazer precisamente o que tinha prometido que ia fazer.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  9. O mundo está a tornar-se ainda mais estranho...

    um beijinho e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os malucos tomaram mesmo conta do asilo, Gábi.
      Beijinhos, boa semana

      Eliminar
  10. Pedro Amigo, dizia Emerson, pensador norte americano, que o saber, costumes, ideologias e outros princípios do animal humano ondula sobre águas de um enorme oceano com diversas variações, porém a água onde formam-se as ondas, é sempre a mesma. A eternização do atual ditador é efêmera como o esplendor da rosa d'álva. País socialista vira democrático e democráticos socialistas.... Sempre a humanidade está a enlouquecer e não enlouquece nunca. Dizem que quando a água bate na bunda, a gente aprende a nadar. Grande abraço. Magnífica postagem, Pedro! Parabéns! Cordialmente. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estes déspotas são sempre um fenómeno temporal, Laerte.
      Mas enquanto estão no poder fazem mal a muita gente.
      E Erdogan é um déspota louco, perigoso é convencido que é um iluminado.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  11. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    O que nos espera?
    Caloroso abraço. Saudações insanas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo andar da carruagem não nos espera nada de bom, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  12. Um horror! Poderíamos sempre dizer que foi a escolha do povo, com maior ou menor manipulação,mas este resultado não se confina à sociedade turca, tem outras repercussões externas. Por um lado, tal como diz o Pedro, e muito bem, afasta-se dos valores e quesitos defendidos pela UE e, por outro, como "tampão"dos imigrantes em fuga, acaba por chantagear a Europa.
    Contrariamente ao seu propósito, a vulgarização do recurso aos referendos está a tornar-se um ataque à democracia.
    Boa semana e um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na mouche, Célia.
      O referendo, que deveria ser um instrumento priveligiado das sociedades democráticas, passou a ser manipulado no sentido oposto.
      E está a ser utilizado para legitimar as mais incríveis tropelias.
      Um abraço, boa semana

      Eliminar
  13. Subscrevo totalmente este excelente texto, amigo Pedro.
    E quem pode garantir que os resultados finais do referendo foram os verdadeiros? Ele que tudo pode também pode ter ordenado isso. A seguir vem a pena de
    morte, não tenhamos dúvidas.
    De um simples vendedor a um déspota, e o povo(nem todo
    felizmente) delira com um homem destes...Fanatismos nunca são bons. Lamento muito pelos que estão presos
    e muitos outros que irão ser brevemente e muitos deles
    acabarão sendo mortos.
    Estamos a assistir a momentos muito maus, amigo.
    Parece que anda meio mundo enlouquecido...
    Um abraço
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este referendo é uma farsa desde logo porque os opositores ao sim foram silenciados durante a campanha, Irene Alves.
      Depois, a própria votação e contagem dos votos, deixa muito a desejar (estou a ser simpático).
      Um abraço, boa semana

      Eliminar
  14. O mundo está a ser governado por déspotas. Ainda há dias a América elegeu um. Fiéis seguidores da doutrina do Hitler
    Kis :=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E, tal como Hitler, são déspotas eleitos, AvoGi.
      Que, como no caso de Erdogan, ainda vêem os seus poderes reforçados através de referendos manhosos.
      Bjs

      Eliminar
    2. O déspota turco é um Adolf Hitler/Josef Stalin para os pobres.

      Eliminar
    3. Um bom bocado mais bronco que os outros, convenhamos, Teresa...

      Eliminar
  15. O déspota turco já andou a informar-se sobre o tamanho de uma prisão onde caibam os 48,59% turcos que votaram com "NÃO".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como é que um tipo que prende e elimina toda a gente que se lhe opõe ganha legitimamente um referendo para ainda conseguir mais poderes??
      O povo é estúpido ou o referendo não teve nada de legítimo?

      Eliminar
  16. Pedro, estamos a assistir por todo o mundo a um retrocesso civilizacional.
    Temo muito pelo futuro dos nossos filhos e netos.

    Um beijinho

    O Toque do coração

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não lhes estamos a deixar grande legado, Fernanda Maria.
      bem pelo contrário, estamos a deixar-lhes um legado muito pesado.
      Beijinhos

      Eliminar
  17. Tudo a ficar mais escuro, por cada vez mais lados...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até custa acreditar que seja verdade, luisa :(

      Eliminar
  18. Há anos que a Turquia tenta entrar para a UE, sem sucesso, Pedro.
    Só que cada vez se distancia mais desse objectivo, lá isso é verdade.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será o único aspecto positivo destas eleições, Janita.
      Uma Turquia que nunca teve nada em comum com o projecto europeu ficar definitivamente afastada da União Europeia.
      Beijinhos

      Eliminar
  19. Respostas
    1. Se pensarmos em valores e vivência, não, Carlos.
      Mas se pensarmos em utilidade parece que terá estado bem mais próximo que o desejável.

      Eliminar
  20. Começo a ficar assustada com o que se vai passando pelo mundo fora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente com toda a razão para isso, Maria do Mundo :(

      Eliminar
  21. "... Os turcos terão escolhido deixar nas mãos do presidente do país a possibilidade de tudo controlar, de tudo ordenar, de tudo escolher.
    Sem contrapesos, sem contrapoder, sem mecanismos de fiscalização..."
    Notável esta análise que subscrevo totalmente.Em meses foram anos de retrocesso na Turquia. No entanto o nosso amigo Jorge Rocha do Blogue "ventossemeados.blogspot", dá-nos alguma esperança de mudança. escreveu ele na passada terça feira: "...Se pela razão sabemos quão efémeros são os ditadores - caiam eles de alguma cadeira ou rebente-os uma bomba até os projetarem para o telhado de um prédio - sobra sempre o problema de, no entretanto, estragarem a vida às muitas Nihais (*) deste mundo. E esse é um dos motivos porque fazemos votos para que o fim - decerto violento - que o espera não demore muito."
    (*) Nihais é uma rapariga Turca que ele refere no texto completo.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tiro o chapéu ao Jorge Rocha, Corvo Negro.
      Não conheço o blogue, vou ter que visitar depois desta amostra.
      Aquele abraço

      Eliminar