7 de março de 2017

Vira o disco e toca o mesmo


Já vem sendo um hábito - todos os anos, por esta altura, o Departamento de Estado norte-americano expressa grandes preocupações relativamente ao respeito pelos direitos humanos em Macau. 
Se estas preocupações e estes relatórios não são novidade, o conteúdo dos mesmos também não o é.
Ausência de sufrágio directo e universal, liberdade de imprensa seriamente ameaçada, constrangimentos à participação cívica e política, o diagnóstico é sempre o mesmo, o disco parece riscado e repete incessantemente a mesma melodia.
Não há novidades nos relatórios apresentados, no timing para apresentação dos mesmos, nos conteúdos tratados.
E fica sempre a forte suspeita que também não haverá novidades nas "fontes" de onde provém a informação que é vertida nestes relatórios.
Sem grande esforço até é bem possível colocar nomes e rostos nessas mesmas "fontes".
Também sempre os mesmos nomes e os mesmos rostos, curiosamente.
Macau não é um paraíso, como todos sabemos.
Tem defeitos como qualquer outro ponto do Globo, aspectos que merecem atenção e correcção.
Sendo isto verdade, também é necessário dizer que os relatórios do Departamento de Estado também são repetitivos noutro aspecto - exageram (deliberadamente ou por ignorância?) os aspectos negativos que apontam e confiam cegamente na informação que lhes é oferecida pelas tais "fontes" sem qualquer preocupação de investigação séria e aprofundada, sem qualquer atenção ao contraditório.
Com tanta imprecisão, tanta repetibilidade, estes relatórios do Departamento de Estado não merecem grande credibilidade, não são para ser levados muito a sério. 

32 comentários:

  1. according to new world order world is driven by the laws of Darwin

    so when SUCH law makers talk about human rights one can smile only!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Especially when we know they have such glass ceilings and we also know perefectly who the "sources" are.

      Eliminar
  2. Completamente de acordo com a "baili" é mesmo para sorrir ouvir as palavras de direitos humanos vindos de certos legisladores.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é a mesma cantilena todos os anos, Francisco.
      Com as mesmas "fontes".
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. É uma pena.
    Um território tão pequeno, podia ser exemplar...
    Beijinhos.
    ~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é exemplar, não é nada do que o Departamento de Estado pinta, Majo.
      O Ricardo percebeu logo a marosca - em bom português, isto é para marrar com a China.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Os paraísos terrestres vieram a revelar-se aquilo que todos sabemos, Majo.
      Macau não é excepção.
      Não é um paraíso, não é nada daquilo que os americanos dizem.

      Eliminar
  4. e a anedota repete-se mais ou menos a nível global, mudam os actores mas a trama é semelhante...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os americanos gostam muito de se armar em polícias do Universo, Briseis.
      Como se tivessem autoridade para isso...

      Eliminar
  5. Anedótico, Pedro, vindo de onde vem.

    Hoje por hoje, para os EUA/Rússia e, sim, a China os direitos humanos e o respeito pelos mesmos são "papel de música" como se costuma dizer.

    Estes relatório do DE alguém os lê?
    Olhe, Pedro, eu nunca passei os meus olhos por nenhum.

    Aquele abraço, caro amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na mouche, Ricardo!
      Qual Macau, qual carapuça!
      Isto é pura e simplesmente para marrar com a China.
      Diz o roto ao nu - que mal vestido que andas tu.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Portanto todos os anos têm a repetição do mesmo "filme"...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certinho, Chic'Ana!
      Nunca falha.
      A mesma lenga-lenga, as mesmas "fontes".
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Direitos humanos muito se fala mas nada se faz. Aliás, faz-me brotar a brotoeja quando os países que mais falam sobre direitos são os próprios a incorrer em situações de desrespeito por esses direitos.
    Relatório há muitos mas sempre tendem a dar razão às grandes potências senhores do universo
    Kis :=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tantos telhados de vidro que têm os Estados Unidos e não param de mandar pedras, AvoGi.
      Não há traseiro que aguente!!
      Bjs

      Eliminar
  8. Que se preocupem mais com a Coreia do Norte, com Angola e por ai fora...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas assim não marravam (é este o termo) com a China, João Menéres.
      Vão lamber sabão!

      Eliminar
  9. Ou seja todo ano a mesma coisa?
    ....

    Passando pra te desejar um ótima dia!

    Beijinhosss ♥
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu próprio já podia fazer o Relatório, Pamela Sensato.
      É sempre a mesma mer...treta.
      Beijinhos, tenha um óptimo dia (em Macau já são 11 da noite)

      Eliminar
  10. Porque não se calam?
    É só isto, Pedro.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque têm que dar umas bicadas aos chineses, António.
      E depois ficam felizes.
      Até ao próximo ano.
      Aquele abraço

      Eliminar
  11. No geral - com as honrosas e devidas excepções, obviamente - alguma coisa merece confiança nos EUA(agora com Trump, piorou)??

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa pergunta, São.
      Estes relatórios não merecem grande atenção, grande relevo.

      Eliminar
  12. Melhor fora que cuidassem do que têm dentro de portas.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre muito mais fácil apontar para a casa do vizinho, Elvira Carvalho.
      Um abraço

      Eliminar
  13. Esta eterna mania que eles são os melhores e podem apontar as pedras a outros tendo eles telhados de vidro sempre me irritou!

    ResponderEliminar
  14. As utopias são desejáveis, o pior é quando são alimentadas por falsos utópicos.
    Os americanos são muito bons a fazer recomendações para os outros...
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São óptimos a apontar defeitos aos outros.
      Lá vou eu citar a minha avó - quem não os conhecer que os compre!
      Aquele abraço

      Eliminar
  15. Eu diria mesmo que não são para ser levados NADA a sério

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A China ontem já lhes respondeu à letra, Carlos.

      Eliminar