30 de março de 2012

A minha filha Catarina faz hoje 14 anos


Aquela menina linda na fotografia é a minha filha Catarina.
Que completa hoje 14 anos.
A Catarina, dito de uma forma simples,  é a filha que todo o pai sonha ter.
Se sonhava ser pai, a realidade, nesta aventura de 14 anos, encarregou-se de suplantar todos os sonhos.
Feliz por a ver feliz, o meu coração fica apertado e pequenino ao perceber que a criança já deu lugar a uma menina, que brevemente se tornará mulher.
Algo que todos os pais gostariam de poder evitar, mas que também todos sabem que não podem fazer.
Eu e a mãe tivemos que pensar um bocado para lhe escolher uma prenda de aniversário que dissesse isso mesmo - já és uma menina, quase uma adolescente, não és ainda uma mulher.
Acho que fizemos uma boa escolha porque ela ficou muito contente com o que lhe demos.
Algo emocionada até.
E, porque já é uma menina, hoje vai jantar com os amigos, entre eles o namorado (juízo!!).
As celebrações com a família ficam guardadas para domingo.
Já que estava a referir-me a emoções, e a ficar emocionado, vou ali fora tomar um bocado de ar.
Adoro-te filha!!

Das competições europeias, dos aumentos salarias e da inflacção



Depois da derrota do Benfica na Luz, e da goleada do Real Madrid em Chipre, foi a vez de Milan e Barcelona adiarem tudo (0-0) para Espanha e de ver o Bayern passear classe e poderio em Marselha  (0-2).
Balanço da Liga dos Campeões - Real Madrid e Bayern estão apurados; o Chelsea está no bom caminho (e o Benfica no mau); Barcelona e Milan deixaram a resolução da eliminatória para Espanha.


Depois da Liga dos Campeões, a Liga Europa.
Depois do Benfica, o Sporting.
A vitória (2-1) sobre o Metalist é curta.
Num jogo que só teve golos na segunda parte, o Sporting chegou ao 2-0.
E, quando poderia ter dado o golpe de misericódia no adversário, sofreu um golo de penálti no último minuto.
Um golo que torna a viagem à Ucrânia muito complicada.
Na próxima semana, no Leste da Europa, o Sporting vai ter que ser uma equipa muito à imagem daquela que apareceu em Manchester.
A não ser assim, vai passar por sérios problemas para seguir em frente nesta edição da Liga Europa.
Concientes das dificuldadse, saibamos enaltecer a vitória do Sporting.
O Metalist ainda não tinha perdido fora nas competições europeias esta época e o Sporting soube derrotar os ucranianos.
Pena que não os tivesse liquidado.
E, mais do que isso, contribuiu decisivamente para consolidar o 5º lugar de Portugal no ranking da UEFA.

RESULTADOS:

AZ ALKMAAR 2-1 VALÊNCIA
Terminado
SCHALKE 04 2-4 AT. BILBAO

Terminado
AT. MADRID 2-1 HANNOVER





II

Da Europa para Macau, do futebol para a política.
Foi ontem discutida na Assembleia Legislativa, na generalidade, a proposta de lei relativa aos aumentos salariais do funcionalismo público.
Já se sabia a percentagem, já se adivinhava o não à retroactividade.
A novidade de ontem foram as razões apresentadas para que essa retroactividade não seja levada a cabo - desiquilíbrio social e orçamental.
Literalmente, desculpas de mau pagador.
Desiquilíbrio social significa que algum empresariado (as intervenções da Chan Chak Mo e Tsui Wai Kuan são eloquoentes nesse particular) não quer ver os seus trabalhadores reivindicar melhores condições salariais, ainda para mais com retroactivos.
Desiquilíbrio orçamental nem dá para perceber.
O custo desta retroactividade seria, segundo informação prestada na Assembleia, de cerca de 90 milhões de patacas.
Um montante semelhante ao que o Governo gastou com o pavailhão dos pandas e que o Executivo arrecada em impostos em apenas algumas horas.
Se o Executivo se limitasse a afirmar que não paga retroactivos porque não quer adoptar essa solução, porque a mesma deve ser excepção e não regra, aceitaria a argumentação.
O Executivo tem o poder, e a legitimidade, de a tomar.
E eu tenho a liberdade de não concordar com a mesma.
Estas desculpas é que se me afiguram inaceitáveis.
A proposta de lei vai agora ser discutida em sede de especialidade.
Depois de aprovada, será publicada em Boletim Oficial e, só um mês depois, entrará em vigor.
Entretanto, a inflação cresce.
Por exemplo, a proposta de lei só ontem foi discutida, ainda falta algum tempo para que a lei entre em vigor, e hoje já me foi entregue a notificação do aumento da renda mensal do lugar de estacionamento no edifício onde trabalho - de 1300 para 1500 patacas.
E não é dos mais caros!
O que vale é que também não tem retroactivos.

Gilllllllldaaaaaaaaaaa !!



Helena e Gilda, duas solteironas, são donas de uma farmácia.  
Entra um homem e pede uma camisinha.
Helena atende e traz a camisinha:
- É pequena ! Reclama o freguês. E Helena traz uma maior:
- Ainda é pequena .. E Helena pega a maior do estoque.
- Desculpe, mas tem de ser maior.... 
Helena grita prá Gilda que está no armazém da farmácia:
- Ó Giiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiilda ! Tem um homem aqui que precisa de uma camisinha maior que a XXL...!!!!! O que é que eu ofereço?
Casa, comida, roupa lavada e sociedade na farmácia!


Astúcia da mulher casada



Uma senhora muito bonita procura um tatuador e pede-lhe:
- Faça-me na minha virilha esquerda um lindo coelhinho de Páscoa.
O tatuador trabalhou e fez um perfeito coelhinho, que ela adorou.
- Agora, faça-me um Pai Natal com o seu saco de presentes na minha virilha direita.
O tatuador trabalhou e fez um lindo trabalho, que ela aprovou incondicionalmente.
Ela perguntou quanto era, pagou e, quando ia sair, o tatuador perguntou:
- Minha senhora, o seu pedido para mim foi inédito e isso deixou-me muito curioso. Por favor, diga-me, porquê um coelho de Páscoa numa virilha e um Pai Natal na outra ?
Ela respondeu:

- É para eu calar a boca do meu marido, que está sempre a dizer que lá em casa não há nada de bom para comer entre a Páscoa e o Natal ...!

A anedota do vizinho (loiro?)



Um amigo diz ao seu vizinho:

- Devias fechar a janela à noite, quando estás em casa.
Ontem vi-te a fazer amor com a tua mulher.
Foi na sala, na cozinha, no corredor, porra aquilo é que foi...!!!
Ela até pulava de contente!

O outro:
- Ah, ah, ah, ah!
És mesmo PARVO... Eu ontem nem estava em casa!!!

Extrordinary photos (29)

Balcony of floor 103 in Chicago.


Recordando os anos 60 (59)

29 de março de 2012

Poderá um atentado terrorista influenciar decisivamente o resultado de umas eleições?


Como todos sabemos, a França foi recentemente abalada pelo acto bárbaro de Mohammed Merah, o terrorista que assassinou  brutalmente três cidadãos franceses de ascendência judia.
Abalada pelo choque, pelo horror, a República francesa reagiu com um misto de indignação, revolta, incredulidade.
Nicolas Sarkozy, que fora eleito presidente ao apelidar de racaille (escória) os habitantes dos bidonville, poderá ter agora conseguido um impulso decisivo na sua campanha presidencial.
Involuntariamente dado pela barbárie.
Ao apressar-se a apelidar Mohammed Merah de monstro, Sarkozy viu a sua popularidade nas sondagens disparar.
E o que era dado como um dado adquirido, a vitória de François Hollande, é agora posto em causa.
Porque a opinião pública francesa, muito susceptível às questões da imigração e aculturação, que liga imediatamente aos problemas relacionados com o terrorismo, se sente protegida em tempos conturbados no colo da direita.
Não poderei afirmar que Sarkozy, conscientemente, tirou partido de uma situação de puro horror para conseguir dividendos políticos.
Até estou em crer que o não terá feito.
Mas parece já inegável que a barbárie lhe deu um forte empurrão nas suas ambições políticas.
Involuntário?
Decerto.
Decisivo?
Veremos.

O chouriço



Uma mulher entregou ao neto um frasco com urina para ele ir entregar a 
um consultório para análise. 

No caminho, o miúdo deixou cair o frasco
que se partiu, foi pedir ajuda a um amigo que lhe disse, anda ali comigo que eu tenho uma porca que está grávida, e nestas alturas as porcas fazem muito xixi, enchemos um frasco e levas que eles nem dão
por isso.

Alguns dias depois a mulher  foi à consulta para saber o resultado das análises, diz o médico: tenho más notícias para lhe dar.

-Senhor Doutor, não me diga que vou morrer?

-Não vai morrer mas a senhora está grávida.

-Mas senhor doutor, eu sou viúva há 10 anos, nunca mais tive ninguém como é que isso é possível?

-Mas a gravidez não é o mais grave, o mais grave é que a senhora vai ter 7 porcos.

Diz ela: Porra! Já nem se pode brincar com um chouriço.

Demolidor!!




 Uma mulher está a ver  um programa de culinária na TV e o marido diz-lhe,com aquela sua indelicadeza de sempre:
>
Porque estás a ver isto se não sabes cozinhar ?!!!
>
Ao que ela responde com sua franqueza de sempre:
>
Tu também vês filmes pornográficos e eu não digo nada .....

Extraordinary photos (28)

Lost paradise in the Indian Ocean. Isle of Lamu. 


Recordando os anos 60 (58)

28 de março de 2012

Como é que eu nunca tinha pensado nisto?!


Finalmente percebo a justificação para as mordomias e os salários pricipescos que são atribuídos a alguns burocratas europeus.
Jean-Claude Trichet, que já foi presidente do Banco Central Europeu, curiosamente na mesma época em que a economia europeia navegava em águas perigosas, que a conduziram  muito próximo do naufrágio, veio agora sabiamente explicar que Portugal se encontra endividado porque "gastou mais do aquilo que ganhava".
Genial!
Como é que eu nunca pensei que um país, uma pessoa caramba!, caminha para o endividamento se gasta mais do que aquilo que ganha?!
Claramente porque não sou um visionário como Jean-Claude Trichet.
Com esta genialidade, temos de o reconhecer, o homem merece todo o tostãozinho que lhe paguem.
E todas as mordomias que lhe atribuam.
Quam gasta mais do que aquilo que ganha, endivida-se.
Impressionante!
Quem diria, não é?!

Muito complicado para uns, no papo para outros

Os jogos de ontem deixaram o Benfica com um pé fora da Liga dos Campeões e o Real Madrid com os dois bem assentes nas meias-finais da mesma competição.



No Estádio da Luz, e depois da derrota (0-1) frente ao Chelsea, o Benfica hipotecou seriamente a possibilidade de chegar às meias-finais da Champions.
A defender a honra das equipas britânicas nesta fase das competições europeias, o Chelsea 2011/2012, versão futebolística de Dr. Jekyll and Mr. Hyde, está muito perto de chegar à meias-finais da Champions num ano particularmente complicado para os "blues".
No futebol actual já não há segredos.
Exactamente por não haver segredos, o Chelsea, equipa experiente, matreira, sabidona, explorou indecentemente as maiores fragilidades da equipa do Benfica.
A indisfarçável falta de qualidade de Emerson, e o completo divórcio com as bancadas que faz tremer ainda mais o jogador, acima de todos.
Mas também a perda de gás de Witsel e a infinita teimosia de Jorge Jesus.
Ter um jogador como Capdevilla no plantel, também ele muito experiente, e teimar num jogador tecnicamente fraco, mentalmente debilitado, sem qualquer confiança, própria ou vinda de fora, é pôr-se a jeito para ser ferido por uma equipa recheada de craques com "calo no cu".
O Chelsea massacrou o lado esquerdo da defesa do Benfica.
E por lá nasceu o golo que dá vantagem aos ingleses na eliminatória.
No fim do jogo, dando sequência ao discurso monocórdico que o vem caracterizando, lá veio Jorge Jesus falar da falta de sorte, do árbitro e da "penalidade", afirmar que Emerson até fez um bom jogo.
O Benfica pode ir ganhar a Londres?
Pode.
Mas, convenhamos,  é muito, mas mesmo muito!, complicado.
Até porque vai ter pela frente aquela que é, muito provavelmente, a equipa mais sabida e mais matreira da Europa.
Que só tem a Champions para "lavar a face" numa época horrorosa.
E, se Jorge Jesus insistir na sua infinita teimosia e no seu dicurso patético, o Benfica pode começar a voltar atenções para outras competições.




Quem também já pode voltar a atenção para outras competições, mas neste caso porque está apurado, é o Real Madrid.
Num jogo com muitos portugueses (Fábio Coentrão, Pepe e Cristiano Ronaldo foram titulares no Real, e Ricardo Carvalho ficou de fora; Paulo Jorge, Nuno Pinto e Hélio Pinto foram titulares no Apoel e Hélder Sousa entrou no início da segunda parte) o Real jogou q.b. para golear os débeis cipriotas (0-3).
Como é que esta equipa cipriota chegou a esta fase é que é um mistério.
Por aqui ficará , mas com grandes memórias.
Voltando ao Real, quase a jogar a passo, em ritmo de treino, os comandados de José Mourinho marcaram três golos (dois de Benzema e um de Kaká) e podiam ter marcado mais.
Mais do que suficiente para selar um apuramento desejado, para dar tranquilidade e repouso aos madrilistas, para tornar mais próximo o sonho de Mourinho - ganhar a Liga espanhola, ganhar a Champions e partir para Inglaterra em glória.

Qual Sagres qual quê??!! Sempre Super-Bock!!



Um tipo levou a namorada para uma praia deserta. Desaperta-lhe o top 
do biquini e ela começa a refilar porque ali não dava jeito, que havia
 muita areia, que ainda se arranhavam e ia entrar areia por todo o lado, etc... 
O rapaz disse então:
 - Calma! Não há nada que não se resolva!!!
 E foi ao carro buscar uma grande toalha da Super Bock, que estendeu. 
A namorada deitou-se em cima da toalha. Ao puxar-lhe a cueca do biquini, uma rajada de vento levantou a ponta da toalha e ela reage novamente, dizendo que se iam encher de areia, que a toalha voava, que se arranhavam, etc...
 E ele:
 - Calma! Tudo se resolve.
Foi ao carro e trouxe 4 latas de Super Bock, colocando uma em cada canto da toalha, para esta não esvoaçar. 
Como ela estava sempre a implicar com tudo, teve a ideia de trazer também uma venda do carro e para lhe pôr à volta dos olhos. Continuaram...
 Já a  rapariga estava nua, quando perguntou:
 - Trouxeste preservativo?
 E o namorado:
 - Aqui não tenho, vou buscar ao carro.
Enquanto foi ao carro, passou um gajo que andava a fazer 'jogging'. 
Ao deparar com a tipa nua e vendada, deitada na toalha, primeiro aproxima-se, começa a mexer e, como ela não se nega, não hesita e 'por aqui me sirvo': salta-lhe para cima!!!
Após ter comido a menina,  afasta-se e diz:
 - F..da-se! Com uma campanha destas, agora é que eles rebentam mesmo com os gajos da Sagres...

Emancipação da mulher



Numa reunião internacional de mulheres pela emancipação, ouviam-se vários testemunhos:

-Bom dia, o meu nome é Karen, sou alemã e disse ao meu marido:
Franz, faz o jantar, quero um bife!
No primeiro dia, não vi nada, no segundo não vi nada, mas no terceiro, o Franz preparou-me um delicioso roast-beef.

Aplausos e grande ovação na sala!
BRAAAAAVOOOO!!!?

-Bom dia, chamo-me Carla e sou italiana. Um dia disse ao meu marido:
Luigi, a partir de amanhã, limpas a casa. No primeiro dia não vi nada, no segundo dia não vi nada, mas no fim do terceiro dia, Luigi tinha aspirado toda a casa.

Aplausos e ovação da sala.
BRAAAAAVOOOO!!!?

-Bom dia, chamo-me Michelle e sou francesa. Um dia disse ao meu marido:
François, a partir de hoje lavas a roupa da casa. No primeiro dia não vi nada, no segundo dia não vi nada, mas no fim do terceiro dia, François tinha feito 4 máquinas de lavar.

Aplausos e ovação da sala.
BRAAAAAVOOOO!!!?

-Bom dia, sou a Maria e sou portuguesa. No mês passado, disse ao meu esposo:
Oh Manel, a partir de amanhã, lavas a louça todos os dias!
No primeiro dia não vi nada, no segundo dia não vi nada, mas no terceiro já comecei a ver alguma coisinha do olho esquerdo.

Extraordinary photos (27)

Favelas of Brazil. The boundary between wealth and poverty.


Recordando os anos 60 (57)

27 de março de 2012

Reforme-se a reforma!


Vai animada a discussão acerca da reforma do sistema político em Macau.
Ontem, depois de Ambrose So defender a representatividade do sector do Jogo na Assembleia Legislativa (ainda não está representado? Ia jurar que sim....), foi a vez de Jason Chao, o líder da Associação do Novo Macau Democrático, aproveitar mais uma sessão de consulta aberta ao público para ser acintoso, verrinoso até, nas suas críticas ao processo de consulta em curso.
Como acontece tantas vezes, o problema não está no que se diz,  antes na forma como se diz.
E Jason Chao, imberbe, foi muito infeliz, a roçar o boçal, na maneira como se exprimiu.
Esse foi o erro.
Porque, em boa verdade, a substância da crítica que dirigiu ao processo de consulta em curso, e às reacções que este tem motivado, tem toda a razão de ser.
Efectivamente, já se ouviram vozes a clamar assento(s) na Assembleia Legislativa para todos os sectores profissionais,  assistenciais, para todas as etnias, idiomas.
Seguindo estas reivindicações será forçoso reformar a reforma.
Mesmo ainda antes da entrada em vigor da mesma.
Esqueçam-se as "fórmulas 1+1 ou 2+2".
Com tantos representantes, de tão variada proveniência, uma "fórmula 20+20" é bem capaz de não se revelar suficiente. 

Braga em primeiro, Marítimo em quarto

No início da época, seria uma surpresa.
Agora, que estamos quase no fim, e depois do que se foi vendo pelo caminho, já o não é.


O Braga, depois da 13ª vitória consecutiva, é o novo líder da classificação da Liga Zon Sagres.
Uma vitória suada, complicada, tremida, pela margem mínima (2-1), sobre uma Académica que já não ganha há 12 jogos (o que é que se passa??), deixou os minhotos isolados no primeiro lugar da classificação.
O Braga foi queimando etapas nesta edição da Liga Zon Sagres.
Entrou titubeante, consequência de alterações na estrutura técnica e da perda de alguns jogadores influentes.
Depois estabilizou, estabeleceu como meta conseguir um dos primeiros quatro lugares, meta essa que manteve praticamente até ontem.
Ontem, finalmente, Leonardo Jardim já afirmou o óbvio - está assegurado um dos três primeiros lugares, vai-se agora procurar que seja o melhor, ou seja, o primeiro.
Este Braga já vinha há algum tempo a dar sinais que podia discutir o título de campeão.
Mais, nas últimas cinco/seis jornadas, tem sido a equipa mais sólida e a que melhor futebol pratica.
O Braga, que tem também o actual melhor marcador da Liga nos seus quadros (Lima), vai agora precisar muito da experiência, do calo, da voz de comando, de alguns dos seus jogadores mais matreiros (Quim, Nuno Gomes, Hugo Viana, Custódio, Alan).
Porque, agora, a exigência é outra.
E a dúvida permanece - este Braga tem estrutura para aguentar a pressão, para ser campeão?
Ontem, na segunda parte do jogo, abanou um bom bocado.
E adensou essa dúvida.
Seguem-se a visita à Luz e a recepção ao Porto.
Se, depois desses dois jogos, os homens de Leonardo Jardim mantiverem o primeiro lugar, serão campeões.


Da Madeira vem a outra surpresa (agora também já não é) desta Liga Zon Sagres.
O Marítimo, com muita dificuldade, mas com muita vontade (mais uma vez, a imagem de Pedro Martins), bateu o Gil Vicente (3-2) e voltou a tomar posse do 4º lugar da classificação.
Este Marítimo ocupa o lugar que era suposto que o Braga ocupasse.
E o Sporting ocupa o lugar que Marítimo, Guimarães, ou Nacional, deviam ocupar.
Da teoria à prática.....
Está a ser uma edição da Liga emocionante.
Três equipas separadas por dois pontos a lutarem pelos três primeiros lugares.
Duas, com vantagem de um ponto para o Marítimo, a lutarem pelo quarto lugar.
Não tenho memória de algo semelhante.

Simpatia para prender a pessoa amada em 2012. Não falha!!



Mãe Neinha ensina:
 
Simpatia para prender a pessoa amada:

.
.
.
1 - Ponha 1 Kg de maconha na mochila da pessoa amada
2 - Ligue para a Polícia... não falha!!!


Exemplo de cartão de visita



Para quem não têm cartão de visita e precisa de um, aqui vai um exemplo.

Cientistas estabeleceram que a duração média de uma relação sexual é de 8 minutos.
O pénis entra e sai cerca de 28 vezes por minuto o que perfaz um total de 224 vezes por cada relação.
Sendo que o comprimento médio de um pénis é de 17 cm, uma mulher receberá portanto 3.808 cm por cada relação, ou seja 38 m.
Assim qualquer mulher que, faça amor 3 três vezes por semana durante as 52 semanas do ano, receberá então 594.048 cm de pénis ou seja 5.940 m.

Cara senhora: Se por acaso não recebeu os seus 5.940 metros referentes ao ano em curso, o cavalheiro que lhe deu este cartão está disposto numa base de boa vontade e solidariedade a ajudá-la a encontrar os metros ou mesmo os quilómetros perdidos.

TELEFONE:______________                   Atenciosamente

Extraordinary photos (26)

Banpo Bridge in Seoul, South Korea


Recordando os anos 60 (56)

26 de março de 2012

Os 12 trabalhos de Leung Chun-ying


Está eleito o terceiro Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Hong Kong (RAEHK) - como se previa, Leung Chun-ying (CY Leung).
Em boa verdade, mais do que de uma vitória de Leung Chun-ying, deve falar-se de uma derrota de Henry Tang.
No espaço de menos de um mês, aquele que era o favorito de Pequim desbaratou todo o capital que tinha acumulado, o empurrão dos grandes magnatas de Hong Kong e até o apoio do Governo Central.
Os sucessivos escândalos em que se viu envolvido, e a maneira como lidou com os mesmos, arrasaram o desavergonhado Henry Tang.
A tal ponto que sai destas eleições com 285 votos, um número inferior ao dos apoios que havia recebido quando se candidatou.
Albert Ho, sem surpresas o candidato menos votado, falou abertamente em interferência de Pequim no resultado destas eleições.
Subtil, não assumida (era o que faltava!), mas inegável.
Num primeiro momento, no apoio a Henry Tang.
Num segundo momento, no puxar do tapete a quem era até há bem pouco tempo o número dois do actual Executivo de Hong Kong e no virar da agulha para aquele que acaba de ser eleito o terceiro Chefe do Executivo da RAEHK.
Leung Chun-ying, que será um líder de transição (em 2017 haverá eleição por sufrágio directo e universal), recebe em herança uma pesada tarefa.
Depois de uma campanha violenta, com ataques pessoais constantes, não é já só a sociedade de Hong Kong que apresenta profundas feridas e fracturas.
É o próprio campo pró-Pequim que se encontra irremediavelmente de costas voltadas e com várias facções em surdina guerra.
Unir estes estilhaços será tarefa espinhosa.
Tarefa à qual não se quererá associar o campo pró-democrata, mais preocupado em minar a pouca credibilidade da actual liderança e preocupado em preparar já a sucessão em 2017.
O conceito de harmonia, de sociedade harmoniosa, tão caro à actual liderança em Pequim, está completamente ausente em Hong Kong.
Uma cidade também ela afectada por feridas profundas, que não se revia minimamente em nenhum dos três candidatos que se apresentaram a sufrágio.
Quando, dentro do próprio colégio eleitoral que elege o Chefe do Executivo, e com recados mais ou menos audíveis de Pequim, há tantas dissenções, o que é que se pode pensar acerca do sentir da sociedade civil?
Leung Chun-ying vai ter cinco anos de muito complicada governação.
Para, em 2017, cansado, se ir embora.
Tarefa ingrata, convenhamos.

A empatar é que nos entendemos!

E se o Braga passasse a comandar a classificação da Liga Zon Sagres?
Era justo, não era?
Porque, os outros dois, são uns queixinhas e uns "empatas"!


Começou por empatar o Benfica em Olhão.
O Olhanense, com metade dos titulares ausentes, travou um Benfica esgotado.
No físico e nas ideias.
Os de Olhão, que já levam uma série de 9 (acho que são 9....) jogos sem perder, controlaram perfeitamente um Benfica sem ideias, sem fio de jogo, sem oportunidades de golo flagrantes.
O Olhanense também as não teve, é verdade.
Mas, para o Olhanense, este pontinho era precioso.
Para o Benfica, podia ser desastroso.
A equipa do Benfica está extenuada.
E, muito por causa desse cansaço, sobretudo mental, perde-se.
Inclusivamente perde a cabeça.
Aimar teve uma entrada karateca sobre um adversário e foi muito bem expulso.
Prejudicou a equipa, prejudicou o espectáculo, prejudicou a estratégia.
Que também foi paupérrima.
Jorge Jesus parece que não sabe muito bem o que quer e o que há-de fazer.
E enreda-se em desculpas esfarrapadas, discussões estéreis.
Também ele está esgotado.
O empate a zero reflecte o que foi o comportamento das duas equipas - uma não quis perder, a outra não soube como ganhar.


Quem soube ganhar foi o Sporting.
Um exibição fraquinha, um golo de penálti, uma vitória magrinha (1-0) sobre um Feirense que é inquestionavelmente uma das piores equipas da Liga.
Mas, ao contrário de Jorge Jesus e Vítor Pereira (já lá vamos...), Sá Pinto não recorre a desculpas fáceis e tontas.
Antes fala no visível cansaço dos jogadores do Sporting e explica com esse cansaço exibições menos conseguidas.
Custa assim tanto admitir o óbvio?
Com esta vitória, o Sporting põe pressão no Marítimo naquela luta a dois pelo quarto lugar.
E prepara-se para, com outra moral, enfrentar o Metalist na Liga Europa.


No jogo dos "empatas", o Porto, que podia fugir ao Benfica, resolveu imitar os encarnados.
Depois de mais uma exibição fraquinha e nervosa, o Porto empatou em Paços de Ferreira (1-1).
E o Braga pode passar os dois "empatas" e isolar-se no primeiro lugar.
O Porto, que até esteve a ganhar até aos 76 minutos mercê de um auto-golo, perdeu muitos golos, jogou muitas vezes sem nexo, apresentou jogadores que estão de rastos (Lucho está rebentado!).
E sofreu o empate, marcado por Melgarejo, emprestado pelo Benfica ao Paços, na sequência de um canto.
Para se ser campeão é necessária solidez, crença, classe, killer instinct.
Porto e Benfica não têm essa qualidade.
Encrava-se-lhes a arma na hora de liquidar o adversário.
O Braga terá?
Voltando ao Porto, Vítor Pereira foi para a conferência de imprensa falar de árbitros.
Só lhe posso responder de uma maneira - nos últimos vinte anos só houve um treinador no Porto que conseguiu ser pior do que ele - Octávio Machado.
É preciso dizer mais alguma coisa?


Em Espanha, os mesmos seis pontos a separar os dois colossos.
Aos 5-1 com que o Real Madrid brindou a Real Sociedad, respondeu o Barça com 2-0 em Maiorca.
E segue a luta a dois - entre Real e Barça e entre Messi (foi ele que marcou o golo?) e Ronaldo.

"O prefaciador implacável" por Ricardo Araújo Pereira


O prefaciador implacável

Anseio por conhecer os factos gravíssimos que estão a ocorrer em Portugal neste momento lendo o prefácio do próximo livro de Cavaco, daqui a um ano

Ricardo Araújo Pereira

Quinta feira, 22 de Mar de 2012

Revista Visão

Julgo que Cavaco tem um sonho parecido com o de Sá Carneiro: um governo, uma maioria, um Presidente. Só que, no sonho de Cavaco, ele desempenha todos os cargos. Há um Presidente Cavaco, um conselho de ministros formado por Cavacos e 230 Cavacos na Assembleia da República. No entanto, por absoluta impossibilidade física, Cavaco vê-se forçado a ocupar apenas um cargo de cada vez. Quem perde é o país. E Cavaco exaspera-se um bocadinho, como tem sido o caso.
Enquanto periodicamente manifesta alguma desilusão com o actual primeiro-ministro, Cavaco publica um livro em que reprova o comportamento do primeiro-ministro anterior. Diz que José Sócrates violou um artigo da Constituição. O caso gerou alguma surpresa entre os analistas: o livro reúne discursos do Presidente, mas a acusação, que é gravíssima, está no prefácio. Normalmente, o tema do livro é introduzido no prefácio, mas a matéria mais importante está, digamos, no fácio. Em Cavaco, tal não sucede. Os discursos são mais ou menos dispensáveis, mas o prefácio é soberbo. Anseio por conhecer os factos gravíssimos que estão a ocorrer em Portugal neste momento lendo o prefácio do próximo livro de Cavaco, daqui a um ano. A espera é dura, mas vale a pena.
Porquê fazer uma acusação destas num prefácio, têm perguntado os analistas. Porque fazê-la numa nota de rodapé seria ridículo, digo eu. No prefácio, tem outra dignidade. E é o que está estipulado na carta de poderes e competências do Presidente da República: quando o primeiro-ministro viola a Constituição, o Presidente tem duas hipóteses: demiti-lo e convocar eleições ou esperar um ano e dizer-lhe das boas num maldoso prefácio. Cavaco escolheu a opção mais violenta. Quem sabe história recordará que Napoleão foi obrigado a exilar-se em Santa Helena na sequência de um prefácio muito desagradável escrito pelo Duque de Wellington. O poder devastador do prefácio, em política, está bem documentado.
Cavaco viu na atitude de Sócrates uma deslealdade histórica. Infelizmente, é difícil perceber se a deslealdade do ex-primeiro-ministro é histórica por ser de grande envergadura ou por entretanto ter passado tanto tempo que já pertence à história. Para ajudar a esclarecer estas questões, Cavaco é hermeneuta de si próprio, como vem sendo hábito. O trabalho do Presidente é infinito: há que fazer declarações sobre as pensões de miséria do Banco de Portugal, explicá-las no facebook e depois explicar as explicações ao longo da semana, escapar a escolas repletas de perigosos pré-adolescentes e justificar a fuga no dia seguinte, registar uma violação da Constituição, remoer nela durante meses e denunciá-la num prefácio. É rara a atitude de Cavaco que não necessita de esclarecimento. Incluindo os esclarecimentos.

Humor infernal



UM BÊBADO MORRE E VAI PARA O INFERNO. CHEGANDO LÁ, ENCONTRA O DIABO E
PERGUNTA-LHE:

- ONDE É QUE PARAM AS MULHERES?

- MULHERES??!! - EXCLAMA O DIABO - AQUI NÃO HÁ MULHERES !!

E DIZ O BÊBADO:

- OLHA...OLHA...NÃO HÁ MULHERES!!!! VAIS DIZER-ME QUE ESSES CORNOS TE
SAÍRAM NUMA RIFA...??!

Extraordinary photos (25)

Lena Pillars. Russia, the Lena River.


Recordando os anos 60 (55)

23 de março de 2012

A sociedade anónima


Pouco a pouco, de mansinho, fomos assistindo ao advento de uma sociedade anónima.
Não de uma Sociedade Anónima (S.A.), mas de uma verdadeira  sociedade anónima.
Uma sociedade na qual, atrás do anonimato, se esconde a cobardia, a denúncia, a bufaria, a ofensa, a devassa.
Incentivada por alguns, glorificada por outros, é uma sociedade cobarde e perigosa.
A coberto do anonimato, lançam-se boatos, insulta-se este, afasta-se aquele, destrói-se a reputação daqueloutro.
Sempre sem se poder confrontar os verdadeiros interessados neste vil procedimento.
Porque se escondem.
E assim, escondidos, embossados, criam a sociedade anónima.
Perigosa, muito perigosa.
Prefiro o Big Brother de George Orwell.
Porque esse, na maioria das vezes, sabemos quem é.
O anónimo não.
Esse nunca se mostra, nunca se revela.
Cobarde, viscoso, é peçonhento, invejoso e queixinhas.
Como é que ainda se lhe dá credibilidade, mesmo sem lhe conhecer a cara, muito menos a personalidade, é algo que ainda me surpreende.
Que sempre me surpreenderá.

Humor ortográfico

A corrupção continua na mesma...


Homem do ano!!!


Camisa vermelha



Napoleão Bonaparte, durante suas batalhas usava sempre uma camisa de cor vermelha.
Para ele era importante porque, se fosse ferido, na sua camisa
 vermelha não se notaria o
 sangue e os seus soldados não se preocupariam e também não deixariam de lutar.
Toda uma prova de honra e valor.
Centenas de anos mais tarde, Cavaco Silva usa sempre calças castanhas…

Extraordinary photos (24)

Haus Rizzi - Germany


Recordando os anos 60 (54)

22 de março de 2012

Eu bloqueio, tu obstruis, ele queixa-se, nós questionamos,eles julgam


No final do Benfica/Porto de ontem, Vítor Pereira queixou-se dos bloqueios que o Benfica faz nos lances ofensivos de bola parada, afirmando que não se trata de bloqueios mas sim de obstruções.
Uma vez que o assunto continua na berlinda, com jogadores que foram treinados por Jorge Jesus a afirmarem que o actual treinador do Benfica é obssesivo a treinar estes lances, não será má ideia perceber exactamente no que consistem esses movimentos.
Como bem afirmou Jorge Jesus, o bloqueio é uma situação de jogo que é típica do basquetebol, sendo um dos movimentos ofensivos mais utilizados pela maior parte das equipas, o qual, quando bem utilizado, é uma combinação ofensiva que levanta ao adversário grandes problemas defensivos.
Trata-se, basicamente, de impedir, legalmente, que o adversário consiga chegar ao colega que tem/transporta a bola.
Já no futebol, há lugar a obstrução quando um jogador impede um adversário de se colocar, de correr ou de alcançar a bola.
Ou seja, ou que no basquetebol é legal, no futebol não o é.
A Lei determina que, não jogando a bola, correndo entre o adversário e a bola, ou interpondo o seu corpo de maneira a constituir obstáculo para o adversário, será penalizado o jogador que assim proceda com um livre indirecto no local onde a falta foi cometida.
Tem então que se fazer a verdadeira separação entre obstrução natural do jogo e a executada incorrectamente. 
Nos dois casos, não é permitido que o jogador seja impedido de disputar a jogada normalmente.
Para ser punida a obstrução, deve-se verificar se a vontade do jogador obstruir é nítida e agressiva e assegurar que se produza fora da acção do jogo ou quando o jogador não tenta jogar a bola.
Ou seja, há obstrução quando o jogador não se preocupa em jogar a bola, apenas procura impedir que o adversário se movimente ou a jogue.
Vítor Pereira falou, no final do jogo de ontem, em bloqueios que são, afinal, verdadeiras obstruções por parte dos jogadores do Benfica.
Fica para os árbitros o odioso de julgar a intencionalidade, a vontade do jogador.
Tarefa algo complicada, convenhamos.
Seja como for, e não sei se foi precisamente essa a vontade, a intenção de Vítor Pereira com esta declarações, os lances de bola parada do Benfica, sobretudo os ofensivos, vão ser agora vistos à lupa.
É bloqueio, ou obstrução?
O juiz decide!
O que é certo é que, com esta celeuma, Vítor Pereira bloqueou (ou obstruiu??) em boa medida os lances ofensivos de bola parada do Benfica.