31 de julho de 2010

Acordo ortográfico?

Não sei patavina acerca do tão propalado acordo ortográfico.
Nem quero saber, simplesmente porque gosto da maneira como aprendi a escrever.
Mas, depois do que ouvi hoje de manhã na Rádio Macau, estou intrigado - "Trazeremos" é uma nova palavra, resultante do dito acordo ortográfico? 
Eu até explico o contexto para me poderem ajudar - "Vamos agora ouvir a música X até às Y horas, altura em que aqui trazeremos as notícias".
Dou a palavra aos linguistas.

Regresso aos anos oitenta (135)

Os imprescindíveis (65)

Dois grandes clássicos realizados por John Ford em destaque hoje e amanhã.
Para hoje o fenomenal The Grapes of Wrath, argumento escrito por Nunnally Johnson, baseado na obra de John Steinbeck, com um elenco extraordinário - Henry Fonda, Jane Darwell, John Carradine, Shirley Mills, John Qualen e Eddie Quillan.
Um filme inesquecível.
Henry Fonda num momento extraordinário na história do cinema

30 de julho de 2010

Era difícil fazer melhor

O ranking que Portugal actualmente ocupa na UEFA obriga alguns clubes portugueses a jogarem pré-eliminatórias para poderem estar presentes na fase de grupos da Liga dos Campeões (Braga) e da Liga Europa (Sporting e Marítimo).
A prestação deste trio, nos jogos realizados ontem e anteontem, foi excelente.
Três vitórias e a quase cereteza do apueramento para todos é o saldo final.
O Braga enfrentou os escoceses do Celtic de Glasgow de "peito feito", esquecendo o facto de ter um ranking e um orçamento muito inferior aos do adversário.
Os 3-0, golos de Alan, Elderson e Matheus (que golaço!!), deverão ser suficientes para eleiminar os escoceses.
Mas atenção que o Celtic é terrível em casa, sustentado num ambiente tremendo.
O Sporting também está no bom caminho depois da vitória na Dinamarca frente ao Nordsjaelland.
O golo de Vukcevic dá vantagem aos leões numa eliminatória que têm a obrigação de passar tão fraquinho é o adversário.
Paulo Sérgio recorreu ao 4/4/2, deixou Liedson no banco, e o Sporting ganhou sem deslumbrar.
Longe disso.
Ainda assim, o importante é passar a eliminatória.
A "música" pode ficar para mais tarde.

Na Madeira é que houve música.
O bailinho do Marítimo resultou em goleada épica (8-2).
Os galeses do Bangor City (amadores) ainda devem estar a tentar perceber o que é que lhes aconteceu naquela bonita ilha no meio do Atlântico.
Com este resultado, Van Der Gaag pode fazer do jogo da segunda mão mais um jogo de pré-época que não corre quaisquer riscos com tal atitude.

Regresso aos anos oitenta (134)

Os imprescindíveis (64)

O filme em destaque hoje é o meu favorito de entre todos os westerns que James Stewart protagonizou.
The Man Who Shot Liberty Valance, realizado por John Ford, argumento escrito por James Warner Bellah e Willis Goldbeck, baseado num conto de Dorothy M. Johnson, com uma galeria de actores absolutamente fantástica - John Wayne, James Stewart, Vera Miles, Lee Marvin, Edmond O'Brien, Woody Strode, Andy Devine, John Carradine e Lee Van Cleef.
Um clássico para terminar este ciclo de filmes com James Stewart como protagonista.
O actor voltará aqui ao Devaneios noutra ocasião.
A partir de amanhã, como vem sendo tradição, será a obra de um realizador que aqui vai ser destacada - John Ford.
A banda sonora

O pilha-galinhas e o senhor padre

Um homem depois de ter apanhado uma grande bebedeira vai roubar galinhas, no dia seguinte sente-se muito arrependido e vai ao confessionário e diz:

- Sabe senhor padre eu ontem não estava bem e fui roubar galinhas, o que é que eu hei-de fazer para remediar isto?

E o padre responde que ele deve dar 10 euros à primeira mulher que vir.

Ele sai da igreja ( a igreja até ficava numa esquina) e encontra uma mulher e diz:

- 10 euros!!

E a mulher responde:

- 25!!

E ele diz:

- Mas o senhor padre diz que são 10!!

- Mas o senhor padre já é cliente antigo!

O caso Freeport e a audição de José Sócrates

Aviso prévio - foi recebida por mail, mas não é anedota.

Procuradores não ouviram Sócrates por falta de tempo

Hoje às 07:23

Os procuradores que dirigiram o caso Freeport escreveram no despacho final que só por falta de tempo ficou inviabilizada a inquirição a José Sócrates.

No excerto do despacho final, citado pelo jornal Público, os procuradores consideram que apesar de não haver qualquer proposta da Polícia Júdiciária, «importaria» ouvir o então ministro do Ambiente e o ex-Secretário de Estado.

Justificação: porque foram eles, José Sócrates e Rui Nobre Gonçalves os principais decisores políticos do processo e porque, acrescenta o texto, os nomes dos governantes foram referidos em vários documentos apreendidos e em depoimentos prestados.

Os procuradores dizem que tinham 27 perguntas para fazer a José Sócrates e dez a Rui Nobre Gonçalves.

Mas explicam que a audição ficou «inviabilizada» porque a 4 de Junho o Vice-Procurador Geral da República fixou o dia 25 de Julho como data limite para o encerramento do inquérito.

Tendo em conta este prazo e que o primeiro-ministro só pode ser ouvido com autorização do Conselho de Estado, os procuradores concluem que a audição se mostra «por ora inviabilizada».

No capítulo das diligências não concluídas, os procuradores referem também que há quatro cartas rogatórias dirigidas a autoridades judiciais estrangeiras sem resposta.

29 de julho de 2010

Regresso aos anos oitenta (133)

Os imprescindíveis (63)

Mais um western em destaque hoje.
Amanhão, outro wester, o meu favorito desta série de filmes que têm James Stewart como protagonista.
Um doce para quem adivinhar qual é o filme.
Hoje, The Naked Spur, realizado por Anthony Mann, argumento de Sam Rolfe e Harold Jack Bloom, com James Stewart, Janet Leigh e Robert Ryan no elenco.
A sequência mais famosa do filme

28 de julho de 2010

Regresso aos anos oitenta (132)

Os imprescindíveis (62)

Depois do western de ontem, uma comédia romântica hoje.
The Shop Around the Corner, realizado por Ernst Lubitsch, com argumento de Samson Raphaelson, baseado na peça Parfumerie de Miklós László.
Com Margaret Sullavan, James Stewart e Frank Morgan como protagonistas, mais um filme a não perder.
O par Margaret Sullavan e James Stewart

Portagens na Grécia - Outros meios de pagamento?!?

Se andarem de carro na Grécia e tiverem que passar nalguma portagem, tenham muito cuidado com o meio de pagamento que vão escolher...

Paguem em dinheiro, usem os E-Pass ou os Smart Pass, mas nunca por nunca se deixem convencer a usar os Other Means Of Payment (outros meios de pagamento).

Ora vejam só a figura...



Καλή τύχη και καλή τις πληρωμές! (Acho que significa algo parecido com chiça, penico, chapéu de coco!!)

27 de julho de 2010

Prémio de Fotografia "OPORTUNIDADE ÚNICA"

Recebida por mail, enviada por um amigalhaço benfiquista


Acaba

de

ser

atribuído

o prémio

para

o mais raro

instantâneo

do futebol português:

O ROBERTO A AGARRAR UMA BOLA ! ! ! ! !


Justificado o INVESTIMENTO feito e a APOSTA nele.

Regresso aos anos oitenta (131)

Os imprescindíveis (61)

Ainda de férias, apetece-me começar a mostrar os filmes que têm Jimmy Stewart como protagonista e que escolhi para destacar neste espaço.
Não vou incluir dois essenciais, porque esses estão guardados para quando for aqui destacada a obra do realizador - Alfred Hitchcock, obviamente.
Para hoje, o primeiro de alguns westerns que James Stewart protagonizou.
Destry Rides Again, realizado por George Marshall, argumento baseado na obra de Max Brand, com um elenco fantástico -  Marlene Dietrich, James Stewart, Mischa Auer, Charles Winninger, Brian Donlevy, Allen Jenkins, Irene Hervey, Billy Gilbert, Bill Cody, Jr. e Una Merkel.
A banda sonora, de Frank Skinner, deu momentos inesquecíveis ao cinema também.
Uma sequência fabulosa:
Marlene Dietrich canta  The Boys in the in the Back Room

26 de julho de 2010

Dois bilhetes postais

Respondendo ao repto que o Carlos Barbosa Oliveira lançou no seu Crónicas do Rochedo, a família Coimbra trouxe na mala dois postais de férias - um de Singapura e outro da Malásia (Penang).



Caro Carlos,
Chegámos a Singapura no domingo, dia 18 de Julho.
Viemos passar aqui três dias.
Ficámos alojados no famoso Marina Bay Sands.
Confirma-se a ideia que tínhamos - os singapureanos são excelentes a vender o que não têm!!
O hotel está muito longe do deslumbramento que se anuncia.
Os quartos são simpáticos, mas não justificam o preço que se pede; os espaços de restauração são pobres; a dita área comercial única na Ásia é efectivamente enorme.....mas só na dimensão da mentira!!
O rasgo e a criatividade, esses estão apenas presentes na piscina e nos jacuzzi no 57º andar do hotel.
Mas, mesmo aí, a vista é ensombrada pelos inúmeros estaleiros na zona da Marina.
A visita a Singapura valeu sobretudo pelo divertimento das meninas no Wild Wild Wet.
Na viagem de táxi até ao aeroporto, o condutor que nos "calhou na rifa" era membro de uma seita religiosa (??) de Taiwan, cujo "profeta" previa as desgraças todas.
Até tinha previsto as cheias em Orchard Road na semana anterior!!
Seria um "profeta", ou seriam os Serviços de Metereologia??
Ficámos sem saber, mas apanhámos uma valente seca!
Agora vamos para Penang.
Um abraço,
Pedro, Tina, Catarina e Mariana

Caro Carlos,
Depois de aturar aquele taxista, a viagem até Penang foi uma maravilha.
A chatice veio depois.
O percurso entre o aeroporto e o resort é feito por uma estrada cheia de curvas e buracos.
Mas vale a pena.
O Hard Rock Hotel de Penang é óptimo!
Praia, piscinas, diversão, bom quarto, bons espaços de restauração, tudo a preços muito razoáveis.
As meninas adoram!
Vamos ficar aqui três dias.
Depois, voltamos a Singapura mais um dia, antes de irmos para Macau, onde ainda temos uma semana livre.
Ficou guardada para podermos descansar das férias!!
Um abraço,
Pedro, Tina, Catarina e Mariana

17 de julho de 2010

O Devaneios vai de férias

Uns dias de férias com a família.
Sol, praia, sossego.
Na próxima semana já haverá mais Devaneios.
Até lá, como gostava de dizer o saudoso Solnado, "façam o favor de ser felizes"!

Regresso aos anos oitenta (130)

Bem a propósito

Os imprescindíveis (60)

Se o filme em destaque ontem era, a todos os títulos notável, o filme em destaque hoje não o é menos.
Na obra de Frank Capra, o meu coraçao balança entre ambos na hora de escolher um favorito.
It's a Wonderful Life, com argumento baseado no conto "The Greatest Gift", de Philip Van Doren Stern,  é um filme lindo, que celebra o valor da vida e o impacto que, inconscientemente podemos ter nas vidas de terceiros.
Um tema imortal, uma realização fantástica de Frank Capra, interpretações magníficas de James Stewart, Donna Reed, Lionel Barrymore e Henry Travers.
O Devaneios vai de férias e interrompe as publicações regulares por uns dias.
Depois das férias, atenção especial a outro actor essencial que por aqui andou ontem e hoje - James Stewart.
 
Uma sequência inesquecível

16 de julho de 2010

Estou confuso com o Gabinete

Ponto prévio - lembram-se do Gabinete Preparatório do Gabinete de Estudo das Políticas do Governo da Região Administrativa Especial de Macau?
Vamos passar a tratar o mesmo apenas por Gabinete, está bem?
Assim como o Solnado que, quando foi viver para casa do Marquês, teve de adoptar o nome Afonso de Melo e Cunha de Albuquerque Alarcão Sousa e Silva, mas, como era muito complicado, passou a ser conhecido apenas pela alcunha - o Batata - a gente passa a tratar esta criação do governo da RAEM por Gabinete, está bem?
Posto isto, e na sequência do encontro do coordenador do Gabinete com os órgãos de comunicação social em língua portuguesa (mais uma vez confirma-se que os brasileiros é que têm razão - "quem não chora, não mama" - e se os órgãos de comunicação social em língua portuguesa não tivessem alertado para o "esquecimento" se calhar ainda estavam "esquecidos"....), dizia eu que, na sequência desse encontro, eu fiquei confuso.
Muito confuso.
Noticia o "Ponto Final" que Mi Jian terá afirmado "Faremos tudo o que o Governo nos mandar".
E é precisamente aqui que surge a confusão.
Mas não era suposto ser este Gabinete a preparar o outro, o qual, por sua vez, era suposto dar indicações ao Governo acerca do que devia fazer?
Fui eu que percebi mal?
Se calhar é outra vez um problema de tradução.....
É, deve ser isso.

Toda a verdade sobre o churrasco

A verdade sobre o churrasco

O que é um Churrasco?

(opinião da mulher)

O churrasco é a única coisa que um homem sabe cozinhar, e quando um homem se propõe a realizá-lo, ocorre a seguinte cadeia de acontecimentos:

01 - A mulher vai ao supermercado comprar o que é necessário.

02 - A mulher prepara a salada, arroz, farofa, vinagrete e a sobremesa.

03 - A mulher tempera a carne e a coloca numa bandeja com os talheres necessários, enquanto o homem está deitado próximo à churrasqueira, bebendo uma cerveja.

04 - O homem coloca a carne no fogo.

05 - A mulher vai para dentro de casa para preparar a mesa e verificar o cozimento dos legumes.

06 - A mulher diz ao marido que a carne está queimando.

07 - O homem tira a carne do fogo.

08 - A mulher arranja os pratos e os põe na mesa.

09 - Após a refeição, a mulher traz a sobremesa e lava a louça.

10 - O homem pergunta à mulher se ela apreciou não ter que cozinhar e, diante do ar aborrecido da mulher, conclui que elas nunca estão satisfeitas.....

DIREITO DE RESPOSTA

(opinião do homem)

01 - Nenhum churrasqueiro, em sã consciência, iria pedir à mulher para fazer as compras para um churrasco, pois ela iria trazer cerveja Kaiser, um monte de bifes, asas de frango, linguiça toscana e uma peça de picanha de 4,8 Kg que o açougueiro disse ser 'Ótima', pois não conseguiu empurrar para nenhum homem.

02 - Salada, arroz, farofa, vinagrete e a sobremesa, ela prepara só para as mulheres comerem. Homem só come carne e toma cerveja..

03 - Bandeja com talheres? Só se for para elas. Homem que é homem come churrasco como tira-gosto e belisca com a mão, quando muito, dá uma passada na farinha, oras!

04 - Colocar a carne no fogo??? Tá louca??? A carne tem que ir para a grelha ou para um espeto que, a propósito, tem que ser virado a toda hora.

05 - Legumes??? Como eu já disse, só as mulheres comem isso num churrasco.

06 - Carne queimando??? O homem só deixa a carne queimar quando a mulherada reclama: 'Não gosto de carne sangrando'; 'Isto está muito cru'; 'ai tá viva??'.
Após a décima vez que você oferece o mesmo pedaço que estava ao ponto uma hora antes,
elas acabam comendo a carne tão macia quanto o espeto e tão suculenta quanto um pedaço de carvão.

07 - Pratos? Só se for para elas mesmas!

08 - Sobremesa? Só se for mais uma CERVEJA.

09 - Lavar louça? Só usei meus dedos!!! (e limpei aos calções).

Realmente, as mulheres nunca vão entender o que é um churrasco!!!

Thanks Spain for getting the world cup for Portugal

"Thanks Spain for getting the world cup for Portugal.

According to the 1494 Treaty of Tordesillas, everything

 conquered by Spain east of 46 degree meridian

is indeed property of Portugal.

Can you please fedex the cup?"

Notícia na hora

CONFIRMADO

A ASAE ENCERROU A SAD DO SCP.

MOTIVO: TER VENDIDO UMA MAÇÃ PODRE AO FCP POR

11 MILHÕES DE €

Regresso aos anos oitenta (129)

Os imprescindíveis (59)

Um dos meus filmes favoritos, dos melhores filmes que vi na vida.
Este e o que vou aqui destacar amanhã.
Mr. Smith Goes to Washington é a história de um homem simples, cheio de ilusões, convicções fortes, ideais nobres, e do impacto que consegue ter na política americana apesar de ser olhado apenas como um campónio.
Brilhantes, a realização de Frank Capra, o argumento de Sidney Buchman, basedo na novela de Lewis R. Foster (nunca foi publicada), os desempenhos de James Stewart, Jean Arthur, Harry Carey e Claude Rains.
James Stewart num dos momentos mais extraordinários até hoje filmados

15 de julho de 2010

São ovos senhores, são ovos!!

Lembram-se do pândego de Hong Kong que foi ontem aqui referido? O gadelhudo?
Também há pândegos em Macau.
Mas, em termos estritamente capilares, o pândego-mor de Macau é o contrário do de Hong Kong -  é careca.
O de Macau é Fai, Cheong Weng Fai, da Associação de Auto-Auxílio dos Operários de Macau, o tal que, entre hoje e 15 de Outubro, prepara um protesto extraordinário - "Já reservámos o espaço. No caso de não sermos recebidos ou de as nossas cartas ficarem sem resposta vamos até à sede do Governo. A nossa ideia é atirar ovos".
Depois de terem atirado ovos contra a porta da sede da DSAL, agora vão atirar ovos contra a porta da sede do Governo.
Se se mantiver a canícula, que tal atirar umas fatias de pão e umas fatias de bacon também?
Ficava a refeição completa e a "cozinhação" até deve ser rápida.
Ou serão estes senhores apenas representantes daquela espécie terrível, que assusta só de ouvir pronunciar o nome, os temíveis "egg beaters"?!

Sérgio Paulinho vence etapa no Tour

Sérgio Paulinho venceu a 10ª etapa da Volta à França em bicicleta.
Vitória ao sprint do português que milita na RadioShack, batendo o bielorrusso Vasil Kiryienka (GCE).
Os dois chegaram à meta lado a lado, discutindo a vitória a palmo.
Paulinho levantou os braços, celebrando a vitória, mas foi preciso recorrer ao photo finish para dissipar quaisquer dúvidas.
Sérgio Paulinho junta o seu nome ao de Joaquim Agostinho, Paulo Ferreira e Acácio da Silva no lote restrito de portugueses que venceram uma etapa no Tour.
Sérgio Paulinho, que já tinha no seu palmarés a medalha de prata conquistada nos Jogos Olímpicos de Atenas (2004), e a vitória numa etapa da Vuelta, consegue agora o feito mais ambicionado por todos os ciclistas, como o próprio ciclista reconheceu no final da etapa  - ganhar no Tour.
Parabéns ao ciclista português!

O quanto custa pagar...e o que pagar custa!

Contribuinte – Gostava de comprar um carro.

Estado – Muito bem. Faça o favor de escolher.

Contribuinte – Já escolhi tenho que pagar alguma coisa?

Estado – Sim. De acordo com o valor do carro (IVA)

Contribuinte – Ah. Só isso.

Estado – e uma “coisinha” para o por a circular (selo)

Contribuinte – Ah!

Estado – e mais uma coisinha na gasolina necessária para que o carro efectivamente circule (ISP)

Contribuinte – mas sem gasolina eu não circulo.

Estado – Eu sei.

Contribuinte – mas eu já pago para circular.

Estado – claro.

Contribuinte – então vai cobrar-me pelo valor da gasolina?

Estado – também. mas isso é o IVA. o ISP é outra coisa diferente.

Contribuinte - diferente?

Estado - muito. o ISP é porque a gasolina existe.

Contribuinte - porque existe?

Estado - há muitos milhões de anos os dinossauros e o carvão fizeram petroleo. e você paga.

Contribuinte – só isso?

Estado – Só. Mas não julgue que pode deixar o carro assim como quer.

Contribuinte – como assim?

Estado – Tem que pagar para o estacionar.

Contribuinte – para o estacionar?

Estado – Exacto.

Contribuinte – Portanto pago para andar e pago para estar parado?

Estado – Não. Se quiser mesmo andar com o carro precisa de pagar seguro.

Contribuinte – Então pago para circular, pago para conseguir circular e pago por estar parado.

Estado – Sim. Nós não estamos aqui para enganar ninguém. O carro é novo?

Contribuinte – Novo?

Estado – é que se não for novo tem que pagar para vermos se ele está em condições de andar por aí.

Contribuinte – Pago para você ver se pode cobrar?

Estado – Claro. Acha que isso é de borla? Só há mais uma coisinha…

Contribuinte – Mais uma coisinha?

Estado – Para circular em auto-estradas

Contribuinte – mas eu já pago imposto de circulação.

Estado – mas esta é uma circulação diferente.

Contribuinte – Diferente?

Estado – Sim. Muito diferente. É só para quem quiser.

Contribuinte – Só mais isso?

Estado – Sim. Só mais isso.

Contribuinte – E acabou?

Estado – Sim. Depois de pagar os 25 euros acabou.

Contribuinte – Quais 25 euros?

Estado – Os 25 euros que custa pagar para andar nas auto-estradas.

Contribuinte – Mas não disse que as auto-estradas eram só para quem quisesse?

Estado – Sim. Mas todos pagam os 25 euros.

Contribuinte – Quais 25 euros?

Estado – Os 25 euros é quanto custa.

Contribuinte – custa o quê?

Estado – Pagar.

Contribuinte – custa pagar?

Estado – sim. Pagar custa 25 euros.

Contribuinte – Pagar custa 25 euros?

Estado – Sim. Paga 25 euros para pagar.

Contribuinte – Mas eu não vou circular nas auto-estradas.

Estado – Imagine que um dia quer…tem que pagar

Contribuinte – tenho que pagar para pagar porque um dia posso querer?

Estado – Exactamente. Você paga para pagar o que um dia pode querer.

Contribuinte – E se eu não quiser?

Estado – Paga multa.

Descaramento com bons resultados

Um tipo do norte de algum lugar comprou um Mercedes e estava a dar uma volta numa estrada nacional à noite.

A capota estava recolhida, a brisa soprava levemente pelo seu cabelo e ele decidiu puxar um bocado pelo carro.

Assim que a agulha chegou aos 130 km, ele de repente reparou nas luzes azuis por trás dele.

"De maneira alguma conseguem acompanhar um Mercedes" pensou ele para consigo mesmo, e acelerou ainda mais.

A agulha bateu os 150, 170, 180 e, finalmente, os 200 km/h, sempre com as luzes atrás dele.

Entretanto teve um momento de lucidez e pensou:

- "Mas que raio que eu estou a fazer?!" e logo de seguida encostou.

O polícia chegou ao pé dele, pediu-lhe a carta de condução e sem dizer uma palavra e examinou o carro e disse:

- Eu tive um turno bastante longo e esta é a minha última paragem. Não estou com vontade de tratar de mais papeladas, por isso, se me der uma desculpa pela forma como conduziu que eu ainda não tenha ouvido, deixo-o ir!

- Na semana passada a minha mulher fugiu de casa com um polícia - disse o homem - e eu estava com medo que a quisesse devolver!

Diz o polícia: - Tenha uma boa noite!

Regresso aos anos oitenta (128)

Os imprescindíveis (58)

Como tinha ficado prometido ontem, ficamos agora uns dias na companhia de Frank Capra.
O primeiro filme que quero realçar é It Happened One Night, uma comédia deliciosa, que conseguiu o feito de arrecadar os cinco Óscar mais cobiçados (melhor filme, melhor realização, argumento, actor e actriz).
Argumento baseado na obra Night Bus, de Samuel Hopkins Adams, realização de Frank Capra, com Clark Gable, Claudette Colbert e Walter Connolly nos principais papéis.
A sequência mais famosa do filme

14 de julho de 2010

Liberté, egalité, fraternité....mas não é para todos

Lá vou voltar ao tema da Tomada da Bastilha, a 14 de Julho de 1789, à Revolução Francesa.
Aqueles ideais (liberdade, igualdade, fraternidade), foram sofrendo algumas variações interpretativas ao longo dos anos.
Os exemplos hoje recolhidos na imprensa, em Macau e em Portugal, confirmam-no.
A começar pela liberdade.
Mais uma vez, os chamados pró-democratas aqui do outro lado do Delta do Rio das Pérolas deram o exemplo do que acham ser o ideal de liberdade.
Ser livre é poder insultar o Chefe do Executivo e o Presidente do Lego.
E atirar-lhes umas coisas.
Depois das cascas de banana, sapatos, agora papéis.
Com palhaços destes a defenderem o aprofundamento do regime democrático (sufragistas, são sufragistas!!!), a ala pró-Pequim nem precisa de se esforçar muito no desempenho das suas funções.
Send in the clowns!

Mais a Ocidente, a ideia de liberdade parece que chegou ao ponto de ser permitido a um autarca manter-se despudoramente agarrado ao lugar ainda que tenha sido condenado por crimes relacionados com o exercício das suas funções.
Liberdade, sem responsabilidade, passa a ser libertinagem.
Foi assim que me educaram.
Será que os conceitos mudaram?
Ou é mesmo só pouca vergonha?
Send in the clowns!

Mas o conceito de igualdade também sofreu mutações.
Sobretudo desde que George Orwell escreveu que somos todos iguais....mas há uns mais iguais que os outros.
Só percebendo que há uns mais iguais que os outros é que se pode perceber que a incompetência seja premiada.
E premiada com 720 000 euros.
Este é mesmo daqueles que é muito mais igual que os outros!
Send in the clowns!

Mas também os há aqui mais a Oriente.
É o caso daquele senhor que acumula cinco cargos, que será uma espécie de Nuno Rogeiro, mas mais para o oriental, porque sabe de tudo - desde ciência e tecnologia, a comércio, cultura, ensino, ....e outras artes, por certo.
Muito mais igual que os outros, sem dúvida nenhuma!
Send in the clowns!

Falta a fraternidade.
Não, não falta.
É que, bem aqui a Oriente, alguém que foi diabolizado em Fevereiro, aparece agora, quatro meses depois, com uma aura salvífica.
E a trabalhar para uma área que lhe deve ser totalmente familiar.....
Querem melhor exemplo de perdão fraterno?
Send in the clowns!!

Novo ordenamento do território

SEFOIA

ENFERMIDADE: SEFOIA

SEFOIA:

Enfermidade ainda não aceite pela classe médica.

Entretanto, milhões de pessoas em todo mundo padecem deste mal e esperam a aprovação da Organização Mundial de Saúde para que se estude e se encontre a cura para esta mortal enfermidade que, cada dia, é adquirida por milhares de pessoas.

SINTOMAS QUE DEFINEM O APARECIMENTO DESTA PATOLOGIA:

1.- Se um café te provoca insônia.

2.- Se uma cerveja te leva directo ao banheiro.

3.- Se tudo te parece muito caro.

4.- Se qualquer coisa te altera.

5.- Se todo pequeno excesso alimentar te provoca aumento de peso.

6.- Se a feijoada "cai" como chumbo no estômago.

7.- Se o sal sobe a tua pressão arterial.

8.- Se em uma festa pedes a mesa mais distante possível da música e das pessoas.

9.- Se o amarrar os sapatos te produz dor nos quadris.

10.- Se a TV te provoca sono.

Todos esses sintomas são prova irrefutável que padeces de Sefoia

SE-FOI-A juventude !!!!!!!!!!!!

Tomada da Bastilha

Comemora-se hoje o quatorze juillet (14 de julho), feriado nacional em França, conhecido formalmente como Fête de la Fédération ("Festa da Federação").
A origem histórica deste feriado remonta ao dia 14 de Julho de 1789, e relembra um dos eventos centrais da Revolução Francesa - a Tomada da Bastilha (Prise de la Bastille).
À Tomada da Bastilha, mais do que o evento em si mesmo é atribuído um simbolismo que ainda hoje é ligado aos ideais da Revolução Francesa e à aprovação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
A Bastilha era a grande prisão do estado e foi invadida por um até então desconhecido jornalista, Camille Desmoulins, o qual, em frente ao Palácio Real e de pelas ruas de Paris, foi espalhando a notícia de que tropas reais estavam prestes a desencadear uma repressão sangrenta sobre o povo de Paris.
Como tal, todos deveriam pegar em armas para se defender desse iminente ataque.
Num primeiro momento, os populares dirigem-se à zona de Les Invalides, local onde se encontrava armazenado um razoável arsenal de armamento.
É posto então a circular o boato que a pólvora se encontrava aramazenada na Fortaleza da Bastilha.
A multidão dirige-se para este último local, defendido por poucos homens e, mesmos estes, dispondo de pouco armamento, e armamento arcaico.
O Marquês de Launay, responsável pela Bastilha, tenta negociar, mas é traído pelo comportamento dos guardas que disparam sobre a multidão revoltosa.
Este gesto precipitou o assalto à Fortaleza e o massacre consequente.
O próprio Marquês de Launay teve um fim trágico ao ser decapitado, tendo a sua cabeça sido espetada na ponta de uma lança que desfilou pelas ruas de Paris numa celebração macabra.
Os presos são soltos, fogem do local e a Bastilha é incendiada.
A notícia rapidamente se espalha e é associada a uma revolta bem sucedida contra o poder de uma nobreza cada vez mais acossada em virtude do seu reduzido número, da sua imensa riqueza e dos seus gastos sumptuosos.
Um dos bastiões do Rei havia sido destruído, e o simbolismo associado a essa destruição gerou uma série de movimentos libertadores por toda a a Europa.
A invasão da Bastilha, e a consequente Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, formaram o terceiro evento da fase inicial da revolução.
A primeira havia sido a revolta da nobreza, recusando-se a ajudar o rei através do pagamento de impostos e a segunda havia sido a formação da Assembleia Nacional e o Juramento da Sala do Jogo da Péla, o juramento realizado pelos membros do terceiro estado (burgeoisie), no salão de jogos do Palácio, que decidiram permanecer reunidos, ao arrepio das indicações do Rei Luís XVI, até dotarem a França de uma Constituição.
"Liberté, egalité, fraternité ou la mort", o célebre slogan pronunciado pela primeira vez em 1793, mergulha as suas raízes na Revolução Francesa e nos acontecimentos que culminaram com a Tomada da Bastilha celebrada hoje.

Regresso aos anos oitenta (127)

Os imprescindíveis (57)

Depois de ter sido espertalhão, jornalista, mulher, hoje Dustin Hoffman é autista.
Em Rain Man, o actor foi mesmo autista, conseguiu interpretar de tal forma o papel de um deficiente, que nos fez crer que era realmente deficiente.
Um filme realizado por Barry Levinson, com argumento de Barry Morrow e Ronald Bass, interpretado por Dustin Hoffman, Tom Cruise e Valeria Golino.
A partir de amanhã, uns dias com a obra de Frank Capra.

No casino "counting cards"

13 de julho de 2010

De pé na sanita

Aconteceu outra vez.
E já é demais!
Até ver pela primeira vez tamanha porcaria, não fazia ideia que fosse possível.
Muito menos, mesmo depois de ver, como é que era possível.
Só depois de me explicarem percebi.
E é uma das maiores nojices que já vi.
E que estou farto de ver.
Uma vez era muito.
Muitas vezes, é de perder a cabeça.
Talvez habituados aos buracos no chão a que chamam sanitas, alguns porcalhões, de cu delicado, resolvem defecar de pé nas sanitas.
Despem-se todos, descalçam-se, e equilibram-se de pé nas bordas da sanita enquanto evacuam.
Ora, como é normal, quando há um desiquilíbrio, ou a pontaria falha, estão a imaginar a nojice que ali fica.
E já são tantas vezes que isto acontece que estou realmente enojado, enjoado e revoltado.
Não há qualquer preocupação com a higiene (só se for do delicado traseiro que não se pode sentar na sanita!), não há o menor civismo, o mínimo respeito pelos outros utentes, por quem tem depois como profissão limpar a enxovia que esta espécie de gente ali deixa.
Já por duas vezes, as senhoras que têm que limpar aquela estrebaria me aparecem com vómitos, enjoadas, quase a pedir socorro.
A minha solidariedade de nada lhes vale.
Até porque, muito provavelmente, no dia seguinte vai acontecer o mesmo.
Não sei quem são autores deste nojo.
E é bom não saber!
Uma cidade que se quer internacional (não é esse o discurso oficial?), onde se prega o civismo, não pode ter montes de merda nas bordas e nos tampos das sanitas.
Tão simples como isto.
E não me venham com a esfarrapada desculpa das questões culturais.
Nojo, e questões culturais, não são coisas que se confundam.
Uma última pergunta - mesmo quando a pontaria está afinada, porque é que não puxam o autoclismo? Têm medo de ser sugados?

O alentejano mais pobre da aldeia

O alentejano mais pobre da aldeia só tinha uma bicicleta, mas um dia aparece no Café Central com um descapotável.

Admirados, perguntam os conterrâneos:

'Atão cumpadri, onde arranjou esse carrito?'

Nem calculam! Na estrada vi uma moça, por acaso bem jêtosa, a chorar e perguntê: 'o que é que se passa?'

Atão ela disse-me: 'veja lá, um carrinho tão novo e já avariado!'.

Atão, abri o motor, liguê dois fiositos e pronto! O carro estava arranjado. Atão ela puxou-me para trás de um chaparro, despiu-se toda e disse-me:

'Para pagar o trabalho que o senhor teve, faça o que quiser!'

E ê fiz o que quis: meti-me no carrito e abalê com ele!'

Em coro, respondem os outros:

'E vossemecê fez munto bên! De certeza que a roupa tamên nã lhe servia...'

Regresso aos anos oitenta (126)

Os imprescindíveis (56)

Hoje Dustin Hoffman é mulher.
Em Tootsie, Dustin Hoffman vê-se obrigado a assumir a identidade de uma mulher para conseguir fugir a uma situação de desemprego como actor.
A versatilidade do actor, mais uma vez, posta à prova.
Um filme de Sydney Pollack, com Dustin Hoffman, Jessica Lange, Teri Garr, Dabney Coleman, Charles Durning, Bill Murray e Sydney Pollack.
Uma banda sonora deliciosa composta por Dave Grusin.
O final do filme e o fabuloso diálogo entre Dustin Hoffman e Jessica Lange (I was a better man for you as a woman, than I was as a man to any woman, you know? I just have to learn to do it without the dress)
E Stephen Bishop cantando It Might be You

12 de julho de 2010

Existe sempre um problema maior que o seu







Tá vendo?

Conforme a gente vai conhecendo os problemas dos outros, percebemos que o nosso nem é assim um problemãoooo!!

Turismo rural

" Trata-se de um desporto nacional que antes se chamava "ir à terra". A diferença é que se fores à tua terra, vais de borla, e se fizeres turismo rural vais a uma terra que não é a tua e pagas uma pipa de massa.

Para fazer turismo rural não serve qualquer terra. Tem de ser uma Terra "com encanto".

 E o que é uma terra "com encanto"?

Obviamente, é uma terra que está num guia de terras "com encanto". Está-se mesmo a ver.

A estas terras chega-se normalmente por uma estrada municipal "com encanto", que é uma estrada com tantos buracos e tantas curvas que quando chegas à terra estás mortinho para sair do carro. 

E quando entras no café tentas integrar-te com os vizinhos. - Bom dia, compadres! O que é que é típico daqui? E o gajo do café pensa: "Aqui o típico é que venham os artolas da cidade ao fim-de-semana gastar duzentos contos".

A seguir, ficas instalado numa casa rural ou "casa com encanto", que é uma casa decorada com muitos vasinhos e réstias de alhos penduradas do tecto, que não tem televisão, nem rádio, nem microondas. Em contrapartida, tem uns cabrões de uns mosquitos que à noite fazem mais barulho que uma Famel Zundapp.

Depois, apercebes-te que os da terra vivem numas casas que não têm Encanto nenhum, mas têm jacuzzi, parabólica, Internet e video-porteiro. A tua casa não tem video-porteiro, mas tem uma chave que pesa meio quilo.

Outra vantagem de fazer turismo rural é que podes escolher entre uma casa vazia ou ir viver com os donos da casa. Fantástico!!! Vais de férias e, além da tua, ainda tens de aguentar uma família postiça que, à noite, queres ver o filme, eles os documentários e tu perguntas-te:"Quem é que manda mais? Eu, que paguei 600 euros ou este senhor que vive aqui?" Ganha ele, que tem um cacete.

Ainda por cima, dizem-te que tens "a possibilidade de te integrares nos trabalhos do campo". O que quer dizer que te acordam às cinco da manhã para ordenhar uma vaca. Não te lixa? É como ires à bomba da gasolina e teres de pôr tu a gasolina, ou como ires ao McDonalds e teres de arrumar o tabuleiro. Ou seja, o normal.

Então, levantas-te às cinco para ordenhar as vacas. E digo eu: Porque raio é que é preciso ordenhar as vacas tão cedo? O leite está lá! Não se podem ordenhar depois do pequeno-almoço? Eu acho que isto é só para chatear, porque a vaca deve ficar muita contente por a acordarem às cinco da manhã para um estranho lhe vir mexer nas mamas. A vaca olha para ti como se dissesse:"Ouve lá, pá! Se queres leite vai ao frigorífico e abre um pacote!" É que é mesmo só para chatear!!!

Mas o "encanto" definitivo são "as actividades ao ar livre". Como quando te põem a fazer caminhada, que é aquilo a que normalmente se chama andar, e consiste, exactamente, em por um pé em frente ao outro até não poderes mais, enquanto os da terra vão num jipe com ar condicionado. Mas tu, feliz da vida, vais pelo campo atordoado, tornas-te bucólico e tudo te parece impressionante. Vês uma vaca e dizes:"Ummmmm, que cheirinho a campo". A campo não, a bosta!!! Mas, isso sim, é a bosta "com encanto".

E tudo, seja o que for, te sabe maravilhosamente. Na mesa pespegam-te dois ovos estrelados com chouriço e tu na cidade não comes estes ovos, nem estes chouriços. E perguntas ao empregado:- Este chouriço é da matança?

- Quase, porque o gajo do camião da Izidoro ia morrendo ali na curva.

De repente, ouves umas badaladas e dizes:

- Ah! Que paz! Não há nada como o som de um sino!...

E o gajo do café diz-te:

- É gravado. Não vê o altifalante no campanário?

Nesse momento, perguntas-te se os ruídos das galinhas e dos grilos não estarão num CD: "RuralMix2009", "Os 101 Maiores Êxitos Campestres".

A única coisa de que tens a certeza é que os cabrões dos mosquitos são verdadeiros. Pareces um Ferrero Rocher com varicela!!!

Eu acho que, de segunda a sexta, as pessoas destas terras vivem como toda a gente, mas ao fim-de-semana espalham pela estrada uns tipos mascarados de pastores e quando vêem que se aproxima um carro, avisam os da terra pelo telemóvel: "Hey, vêm aí os do turismo rural!" E mudam o cartaz de "Videoclube" pelo de "Tasca", soltam uns cães pelas ruas e sentam à entrada na terra dois avôzinhos a fazer sapatos, que depois tu compras e saem-te mais caros que uns Nike.

Enfim, acho que uma montagem tão grande como esta não pode ser obra de pessoas isoladas. Tenho a certeza que estão implicadas as autoridades.

Imagino o Presidente da Câmara:

- "Queridos conterrâneos: este Verão, para aumentar o turismo, vamos importar mais mosquitos do Amazonas, que no ano passado tiveram imenso êxito. E quero ver toda a gente com boina, nada de bonés de pala da Marlboro. E façam o favor de pintar o espaço entre as sobrancelhas, que assim não parecem da província! E as avós: nada de topless na ribeira, que espantam os mosquitos! E só mais uma coisa: este ano não é preciso ninguém fazer de maluquinho da terra, que com os que vêm de fora já chega!"

Autor desconhecido